segunda-feira, 13 de junho de 2016

Escolhas

Só o amor constrói e liberta!

Deixemos desabrochar o amor que temos genuinamente em nossas entranhas.  Lapidemos esse amor com nossas escolhas e coragem perseverante no caminho estreito, difícil, mas que descortinará universos paralelos sutis de extrema sapiência, harmonia e paz.  Precisamos agir, perseverar, caminhar firme na direção certa.

Escolher a direção certa requer afinamento de sintonia, percepção, observação, equilíbrio.  Caminhemos sempre... Não desanimemos com nossos enganos e de nossos parceiros de caminhada; perseveremos nos auto analizando, buscando reformar nossos atos e atitudes equivocados já tão arraigados em nós.

Somos imperfeitos, mas caminhamos calmamente rumo a perfeição.  O Pai nos ama acima de qualquer coisa, e, para cada um de nós há um universo específico.

Aprendamos com nossos companheiros de caminhada.  Reflitamos sobre o que nos indigna, nos desestabiliza, nos tira do centro.  Que atitudes esses fatos nos levam a ter? Com que energias eles nos sintonizam?  São boas para nós essas energias?  O que temos que aprender, exercitar?  Que atitude essas situações nos impulsionam a rever/modificar?  Que universo gostaria de viver?  O que preciso para lá adentrar?
Não passeemos pela vida; não deixemos o leme de nossa vida em mãos alheias.

Controlemos nossos impulsos, eis que nossa passagem pelo reino irracional já ficou para trás.

Caminhemos em direção a nossa própria construção; independente do nosso entorno.  Tenhamos coragem de direcionar nosso barco no rumo escolhido de forma consciente.

Seremos perfeitos quando quisermos.  Querer é poder.  Você quer?

12/06/2016

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

FELIZ NATAL! FELIZ NOVO ANO!

Arrumou a sua casa para o natal? Agora arrume a sua casa espiritual para um novo ano.

Faça sua retrospectiva do ano que se encerra - estabeleça seus propósitos para o ano que se inicia.

Desarrume-se. Deixem as gavetas da memória abrirem-se.  Revire, remexa, analise.
Podemos e devemos estabelecer metas materiais e morais.
Qual foi o seu maior equívoco em 2015?
Que situações/atitudes foram repetitivas?
Revire-se, conheça-se, não se esconda de você mesmo.  Ponha-se a mesa.  Aceite-se.  Reconheça-se.

 A vida é um verdadeiro hospital escola. Somos todos doentes em tratamento.

Ame-se. Queira o próprio bem.  Desarme-se... Fortaleça-se na sua fé.
Renove a esperança.  Persevere na busca de ser, realmente, melhor; de agir, realmente, diferente em 2016.
Só você pode o que você quiser.  Então queira vencer suas próprias barreiras, conquiste o seu amor próprio, e, os outros amores se fortalecerão na subsequência.
Mapeie-se.  Firme seu objetivo - só você pode / sabe / deve:
parar de fumar, beber, ser maledicente, invejoso, arrogante, orgulhoso, vaidoso, guloso... são tantos desafios morais que temos a trabalhar.
Escolha um.  Persiga-o, persevere, queira - você pode muito mais do que imagina.
Cuide do seu pensamento.  Ele é energia que se propaga atingindo o objeto do seu pensamento, o universo e a você mesmo.

Pense.

Que contribuição tem dado ao universo com seus pensamentos.

Não faça da vida uma inútil passagem.

Refaça, re-escreva, re-comece.
Falar é fácil.  Decidir e agir é possível e necessário.
Aja, faça, conjugue verbos.  Afine-se. Lipide-se.

Que 2016 seja de muito trabalho, e, importantes conquistas pessoais.

                                                                                       Paz e bem!

                                                                                    Jânia Farias em 20/12/2015


segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Quem sou eu? Quem somos nós? Será que sabemos?

Somos nós o que aparentamos? Somos a máscara ou somos os mascarados?

Porque não somos natural como é uma criança? Porque embora crescemos, estudamos, somos educados, "aprendemos"... nos envergonhamos do que pensamos, e, nos escondemos por detrás de atitudes falsas, mas, moralmente, aparentemente corretas?
Será mais fácil vivermos escondidos atrás das aparências do que trabalharmos para mudar defeitos de nossa essência?
A quem, verdadeiramente, enganamos?
Deixemos as máscaras... e Deus nos fortaleça para enxergarmos quem realmente somos.
Que essa força, embasada na fé, nos guie no caminho árduo, difícil... mas, com certeza, o que nos levará ao equilíbrio, ao aperfeiçoamento, a paz física, mental e espiritual.
Dai-nos Senhor coragem para enxergar nossas imperfeições... ignorância, arrogância, prepotência, inveja, orgulho, egoismo, vaidade e tantas outras exacerbadas falhas morais que nos atrapalham a caminhada.
Dai-nos Senhor resignação para entender que a única imperfeição que posso corrigir é a minha.  Que o que mais me incomoda no outro é aquilo que mais tenho para trabalhar em mim; seja cultivar e praticar atitudes boas e positivas, seja transformar atitudes deletérias e negativas.
Viver é afinar, diariamente, através do nosso pensamento, o instrumento que é a nossa mente, para guiar o nosso corpo na construção da nossa essência que chamamos VIDA.
Somos parte do todo, e, consequentemente, todos somos unos.
Nada seremos fugindo do outro, de nós mesmos, do que nos confronta, incomoda, impulsiona a fazer ou deixar de fazer.
Cultivemos a coragem e o amor pela vida, pela natureza, pela família, amigos, ou não tão amigos... são eles os instrumentos que devemos utilizar para crescer, viver, EVOLUIR.
Coragem e fé sempre abrirão qualquer caminho.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Só o amor é capaz de inspirar atitudes, remover barreiras e transformar o mundo.

A ação solidária e, a princípio, solitária dessa iluminada irmã, foi, é, e será o divisor de águas na vida de muitos de nossos irmãos.


"Não foi a primeira vez que a Irmã Maria Elci Zerma, de 71 anos, se arriscou para defender um de seus “irmãos excluídos”. Em 1997, então coordenadora da comunidade das Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre, a religiosa se compadeceu com o sofrimento dos moradores de rua.
Embaixo de um viaduto próximo à Paróquia São Camilo de Lellis, na Tijuca, um grupo de mendigos assustava a vizinhança. Onde todos viam risco, a religiosa enxergava irmãos. Ela lembra até hoje o nome dos líderes do grupo: “Lauro, Alexandre Peixe”. Maria Elci descia sozinha e ia ajudar o grupo “a descascar cenouras”, enquanto evangelizava. Quando a Guarda Municipal chegava e o confronto parecia inevitável, a Irmã Maria Elci se colocava na frente dos amigos. “Bata em mim, mas não bata neles”, pedia.
— Nós chamamos as autoridades para conversar, mas era complicado, as pessoas reclamavam da presença deles ali. Eu precisava fazer mais — conta a irmã, que mobilizou colaboradores para criar um lar de acolhida.
Assim nascia a Associação Solidários Amigos de Betânia. No início, era uma casinha verde, cedida pela Arquidiocese, em frente à Igreja Nossa Senhora do Loreto, na Freguesia, em Jacarepaguá. Em volta, um lixão. Hoje, é uma instituição, mantida com recursos da sociedade civil, que comemora feitos como o certificado de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil. Com seu sorriso sereno, a irmã faz um pedido:
— Por favor, diga que eu, sozinha, sou zero. Aqui, é a ação de Deus, das parcerias, dos colaboradores que constroem a obra. Só eu sei o que eu passei quando não tinha minha equipe multidisciplinar. Quando um deles passava mal, à noite, por abstinência, levava ao hospital numa Belina velha. Uma vez, a roda do carro caiu no Rio Maracanã.
 
A Associação Solidários Amigos de Betânia foi fundada no Rio de Janeiro pela religiosa Irmã Elci Zerma (PDDM), junto ao grupo da Pastoral Missionária do Santuário São Camilo de Lelis (Tijuca), em 3 de dezembro de 1999.
A instituição é filantrópica, sem fins lucrativos e de utilidade pública municipal e federal. Desde junho de 2000 vem realizando sua missão em favor dos excluídos.
Para executar sua missão a instituição se inspira nas passagens bíblicas: do Bom Samaritano, que... acolhe com amor incondicional o irmão caído no caminho o conduz a uma hospedaria e se compromete com sua recuperação; e na acolhida de Marta, Maria e Lázaro em Betânia, onde Jesus ressuscitou Lázaro (Lc 10,25-41; Jo 12, 1-11).
Com Humildade e responsabilidade Humana e cristâ, os Solidários Amigos de Betânia entendem atualizar a aldeia de Betânia hoje, como Espaço de vida e dignidade para os irmãos de rua.
“Uma ferida, você vê, faz um curativo, trata. A dor da dependência química, você não vê. É maior do que a de uma ferida”, defende a irmã, que estudou o tema para criar, sempre ao lado dos irmãos acolhidos, “seus maiores mestres”, a metodologia vitoriosa em Betânia.
Em nove meses, os acolhidos passam por vários módulos, que vão desde a adaptação, a criação do projeto terapêutico individual, o contato com a família e a retirada de documentos até a capacitação em cursos profissionalizantes. Todo o dia é preenchido por atividades como oficinas, artesanato, ioga, reciclagem e a colaboração na cozinha, na limpeza e no bazar. O método criado na associação inspirou o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Adilson Pires, a criar o programa “Gestação”, um novo modelo de acolhimento nos abrigos da prefeitura, ano que vem:
— Betânia é uma inspiração. Além da metodologia, precisamos inspirar nossas equipes a trabalhar com metas sociais. A intenção é que todos se apaixonem pelo projeto. Vamos envolver as equipes. Vestir a camisa."
http://www.betaniasab.org.br/Home/index.htm

Que possamos nos inspirar e fazermos o pouco que podemos, para que juntos, sejamos capazes de promover as necessárias mudanças, em nós e no mundo que nos conecta.  Somos todos doentes em tratamento na clínica da vida.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

É você um suicida?

Suicídio é o ato intencional de matar a si mesmo.1 Sua causa mais comum é um transtorno mental e/ou psicológico que pode incluir depressãotranstorno bipolaresquizofreniaalcoolismo e abuso de drogas.2 Dificuldades financeiras e/ou emocionais também desempenham um fator significativo.
Mais de um milhão de pessoas cometem suicídio a cada ano, tornando-se esta a décima causa de morte no mundo. Trata-se de uma das principais causas de morte entre adolescentes e adultos com menos de 35 anos de idade.
As interpretações acerca do suicídio tem sido vistas pela ampla vista cultural em temas existenciais como religião, filosofia, psicologia, honra e o sentido da vida. 
Albert Camus escreveu certa vez: "O suicídio é a grande questão filosófica de nosso tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma pergunta fundamental da filosofia."
Consideramos suicida aquele que com uma única atitude dá fim a própria vida.
Muitos de nós, agindo ou deixando de agir, inconscientemente, vai ao longo da vida, dando motivo ao corpo físico para se desestruturar, afetando seus órgãos de forma a levá-lo a falência.  Uns abusando da bebida, comida, medicamentos, outros cultuando sentimentos e pensamentos negativos; uns agindo, outros, deixando de agir, e, tantos outros. são inúmeros e inimagináveis os meios utilizados por nós para minarmos, diuturnamente, a própria vida.
Possamos acordar, pensar, refletir e agir, enquanto ainda temos tempo.  Tudo podemos quando realmente queremos.  Não usemos nosso comodismo, arrumando justificativa para o que não se justifica, senão, pela nossa preguiça moral. 

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

ETAPAS DA VIDA

 O autor descreve, sucintamente, as etapas da vida.  Vale ler e refletir.

Primeiramente, a fase de preparação para a vida, com muito estudo; a seguir, a fase de intensa atuação prática e muitas experiências, dentro da família e no trabalho; na aposentadoria, é a fase em que se tem a oportunidade de um cultivo sério de um processo espiritual.  Por fim, chega-se à fase derradeira em que se realiza o verdadeiro propósito da vida, vive-se sob os princípios do desapego e renúncia e colhem-se os frutos dos anos dedicados à prática espiritual vivenciando uma profunda e íntima relação com Deus.  A vida será coroada de êxito quando se chegar até esse ponto.
Extraído do livro: Reflexões do aqui e do porvir  de PURUSHATRAYA SWAMI

Todas as fases tem sua importância, mas, a primeira é essencial para a conquista de todas as demais.

A educação em casa e na escola. A absorção dos conteúdos; a vivência das experiências partilhadas no seio da família e da sociedade, exemplificando, com atitudes os valores morais; são alicerces a serem utilizados na construção de cada individualidade.
Educar requer esforço dos educadores e do educado.  Por vezes, a tarefa se torna bastante difícil, mas, passado esse período formador as demais etapas se descortinam.

Possamos nós, motivarmos com nossos exemplos, ao invés de "tentar" impor com autoridade.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

CARÁTER

"... Um caráter bom é a base sólida para uma espiritualidade sã.  Não se pode construir uma vida espiritual consistente, produtiva, inspiradora e, ao mesmo tempo, exibir um comportamento duvidoso.  O caráter daquele que busca a autorrealização sinceramente deve ser íntegro e transparente."

Além das tendências inatas trazidas de vidas passadas, o caráter é formado, principalmente, pela educação que se recebe nos primeiros anos de vida e, também, pelas influências adquiridas através do meio social e das pessoas próximas a nós.

From diz que, básicamente, o caráter segue duas orientações: uma, na direção da vida, chamada por ele de "biófila"; a outra, na direção da morte, chamada "necrófila".  A orientação biófila de caráter ocorre quando há uma tendência natural para o aperfeiçoamento; emprega-se a alguém que cultiva uma meta de perfeição e confia esperançosamente nessa direção e que, quando busca solucionar seus problemas, reage positivamente diante das dificuldades da vida.  Por outro lado, alguém com orientação necrófila de caráter não favorece possibilidades de melhora; não enfrenta os problemas de forma definitiva - quando muito, busca soluções fáceis e paliativas ou contenta-se em pensar que o tempo reverterá a situação; cultiva hábitos e vícios os quais sabe serem destrutivos; tem tendências à hipocondria e à depressão.
Existe a possibilidade de reversão da orientação necrófila para a biófila?  Sim.  O que fazer?  Antes de tudo, é preciso desenvolver o desejo de mudar - esse é o primeiro passo.  A seguir, deve-se adotar um processo disciplinado que cultive e desenvolva as qualidades do modo da bondade.  O modo da bondade tem duas características intrínsecas - conhecimento e felicidade.  São duas qualidades muito atrativas, não é mesmo?

Erick From

 
Que cada um de nós possa refletir sobre o próprio caráter.  Que tenhamos consciência de nossa responsabilidade, pois, o reflexo de nossas atitudes atingem a coletividade. Que consciente ou inconscientemente somos referência para nossas crianças, e, elas podem e devem ter um futuro melhor. Não há como construi-lo sem educação, e, educar dá trabalho, mas, é muito mais fácil educar uma criança que mudar um adulto de caráter desviado.